Bem-estar na Tailândia

O turismo de wellness é a grande aposta da Tailândia

Uma viagem de quatro mulheres para promover o turismo de wellness na Tailândia. Foi com esta proposta que eu, as blogueiras Flavia Pires e Fernanda Fehring e a fotógrafa Pimpa Brauen embarcamos para o país!

Flavia Pires, eu, Pimpa Brauen e Fernanda Fehring

Além das experiências de bem-estar nos hotéis, tivemos também a oportunidade de vivenciar a hospitalidade do povo tailandês, o ritmo de vida agitado de Bangkok e a tranquilidade das praias. E, especialmente, se entregar à filosofia e cultura do país, conhecido como a Terra do Sorriso.

Esta foi a minha quarta vez na Tailândia. É sempre muito bom voltar a destinos que gostamos e temos alguma conexão. Lembro que, desde a primeira vez que visitei o país em 2003, fiquei impressionada como o bem-estar está ncorporado na cultura tailandesa.

Turismo de bem-estar

A vocação da Tailândia para o turismo de wellness é tão natural quanto para o budismo, religião oficial do país. Aliás, muitas práticas budistas estão associadas ao alcance do bem-estar e da sabedoria interior. Soma-se a isso a tradicional medicina tailandesa, composta por quatro áreas: nutricional, fitoterápica, massagem e meditação. O resultado é um país que tem o bem-estar enraizado em sua cultura milenar.

A Global Wellness Institute (GWI) define turismo de wellness como viagens que têm como foco a busca do bem-estar pessoal. E é exatamente isso que muitas pessoas procuram quando planejam as suas viagens: atividades que unem relaxamento, autoconhecimento, atividades físicas, conexão com a natureza, cuidados com a saúde e alimentação e que, acima de tudo, sejam transformadoras e divertidas.

O estudo da GWI mostrou que o segmento movimentou US$ 639 bilhões em 2017. A projeção é alcançar de US$ 919 bilhões até 2022. Os números chamam a atenção e confirmam que o interesse por viagens de bem-estar não é mais uma tendência, e sim uma realidade.

Quando o tema é wellness, a região da Ásia-Pacífico se destaca. A localidade abriga o maior número de spas (mais de 48 mil) e de fontes termais e minerais (mais de 25 mil) do mundo.

Não é uma mera coincidência que muitas redes hoteleiras, que têm o bem-estar como um dos pilares de seus negócios, são originárias dessa parte do planeta. Mandarin Oriental, Six Senses e Soneva são algumas dessas redes de luxo que têm o bem-estar como filosofia e que fizeram parte do roteiro idealizado para promover o turismo de wellness do país.

Mandarin Oriental Bangkok

Engana-se quem acredita que as viagens de wellness estão associadas somente a praias e retiros distantes de grandes centros urbanos. O Mandarin Oriental Bangkok é a prova de que é possível encontrar um oásis de bem-estar em meio ao agito de uma metrópole.

Fachada do edifício histórico do Mandarin Oriental, a Author’s Wing

Começamos a nossa viagem pela Tailândia por Bangkok, neste ícone da hotelaria de luxo mundial. Desde a chegada ao hotel já identificamos o conceito de wellness presente em muitos detalhes: no leve aroma de capim-limão no lobby, na recepção saudável de boas-vindas no quarto, com direito a água de coco, frutas locais, docinhos glúten-free e sem lactose, e na típica saudação tailandesa “swasdee-ka”, na qual os colaboradores cumprimentam os hóspedes com as mãos unidas no peito e um sorriso nos lábios.

Construído em 1876 às margens do rio Chao Phraya, o hotel ocupava apenas o edifício histórico, que atualmente é conhecido como Author’s Wing (Ala dos Autores). Ao longo dos anos o Mandarin Oriental cresceu, ganhou mais dois edifícios, o Garden Wing (Ala do Jardim) e o River Wing (Ala do Rio), e passou a oferecer 331 apartamentos.

O Mandarin Oriental também expandiu para a outra margem do rio, onde estão a estrutura dedicada ao bem-estar, o tradicional restaurante tailandês Sala Rim Naan e a famosa escola de culinária: The Oriental Cooking School.

Começamos a nossa estadia em Bangkok em grande estilo! Fomos direto para o The Oriental Spa – que é referência em oferecer verdadeiros rituais de bem-estar – experimentar uma das terapias holísticas aliadas às filosofias contemporâneas, como a Thai Thermal Salt Therapy, que combina diferentes tipos de massagens:  tailandesa, aromaterapia e hot compress com sal do himalaia no lugar das ervas.

Na manhã seguinte, acordamos bem cedo para participar de uma aula de Muay Thai (boxe tailandês) na academia do hotel, numa sala dedicada a prática. Entre os benefícios do boxe estão a melhora do condicionamento físico e o aumento da autoestima. Entre socos e chutes nos divertimos bastante.

E finalizamos o dia com uma aula de culinária tailandesa na The Oriental Cooking School. Foi uma verdadeira imersão na gastronomia local com dicas preciosas utilizadas no preparo dos pratos. O espaço da escola é lindo e muito bem montado. O chef Narain Kiattiyotcharoen ensinou as técnicas e segredos do preparo da comida tailandesa, além de explicar sobre os ingredientes utilizados.

No total, foram três pratos: uma entradinha Miang Khum, Tom Kha Gai ( a tradicional sopa a de leite de coco com frango e galanga) e Krai Yat Sai Graphrao Moo ( um crepe recheado de carne de porco apimentado com manjericão).

Wat Pho & Chetawan Health Center

A única atração turística que fomos visitar em Bangkok foi o Wat Pho, conhecido como o Templo do Buda Reclinado, que abriga a enorme imagem do Buda tem 46 metros de comprimento e 15 metros de altura.

A primeira faculdade de medicina tailandesa do país – Wat Pho Thai Traditional Medicine School – fica dentro do templo e é o lugar para experimentar a verdadeira massagem tailandesa, mas acabamos fazendo numa filial bem próxima ao templo, a Chetawan Health Center.

Soneva Kiri

A próxima parada foi em Koh Kood – quarta maior ilha da Tailândia situada na costa leste do país, quase fronteira com o Camboja. Um voo privativo de quase 1h30 nos levou ao Soneva Kiri – um “barefoot resort”. Isso mesmo, um resort que encoraja os hóspedes a andarem descalços.

O Soneva Kiri traz uma proposta de desconexão da rotina para nos entregarmos às atividades de bem-estar, que começa quando somos convidados e tirar os sapatos. Andar descalços traz vários benefícios para o corpo, como reavivar os músculos, que tendem a ficar atrofiados com o uso de sapatos; desperta terminações nervosas e estimula pontos de reflexologia.

Em meio à floresta tropical, as construções sustentáveis com madeira certificada estão integradas à natureza e definem o estilo rústico e orgânico do Soneva Kiri. O resort oferece apenas 34 espaçosas villas praticamente escondidas entre vegetação, que ficam à beira-mar ou na encosta.

Construções sustentáveis

Entre as atividades realizadas, o Kundalini Yoga foi uma das mais revigorantes. Este tipo de yoga tem como objetivo despertar a kundalini – a energia vital da nossa coluna vertebral que percorre os sete principais chacras. A professora australiana nos ensinou várias técnicas de respiração que ajudam ativar a energia.

Kundalini Yoga

Também nos entregamos a uma deliciosa massagem no Spa Six Senses feita com óleo de coco produzido no próprio hotel.

Six Senses Samui

Para finalizar a viagem de wellness, desembarcamos em Koh Samui –  ilha localizada no Golfo da Tailândia – para conhecer a proposta do Six Senses. A rede tailandesa que é sinônimo de luxo sustentável também é pioneira em práticas sustentáveis, no compromisso com o bem-estar dos hóspedes e colaboradores, além de  proporcionar experiências para as pessoas se reconectarem com elas mesmas e com a natureza.

Piscina do Six Senses Samui

O Six Senses Samui foi a primeira propriedade da rede inaugurada há 15 anos. No momento do check-in já conseguimos absorver o seu conceito com a maneira despojada dos funcionários de nos receber e se vestir. O hotel se espalha por 66 villas e terraços formando ambientes ao ar livre integrados com a paisagem.

Recepção despojada do Six Senses Samui

A filosofia de bem-estar do Six Senses vai muito além das terapias disponíveis no spa. Ela está integrada às experiências oferecida aos hóspedes: dos alimentos colhidos da própria horta e dos edredons e travesseiros orgânicos às práticas relaxantes e criativas como workshop de meditação, aulas de yoga e culinária tailandesa.

O spa fica numa localização privilegiada dentro da propriedade em uma encosta e com vista para o mar. Fizemos aula de yoga, massagem e também fomos convidadas a participar de um workshop de meditação “Singing Bowls”, com a diretora de Wellness Kae Keerana, que nos conduziu a um relaxamento profundo por meio dos sons emitidos pelos bowls.

O Six Senses Samui também oferece aula de culinária tailandesa, que acontece em um dos restaurantes do hotel de uma forma mais descontraída. A aula é ministrada pela chef Pim e com a ajuda do chef executivo português Sandro Teixeira, e elaboramos cinco pratos, entre eles uma saborosa salada de flor de bananeira. Na verdade, quem fez praticamente tudo foi a Fernanda Fehring, rsrsrsrs

Tamarind Springs Spa

O Tamarind Springs Spa foi um dos primeiros spas da ilha de Koh Samui, que tem a natureza como protagonista. Situado em meio a jardins tropicais e piscinas naturais, o espaço oferece uma deliciosa experiência de spa, em que as massagens são realizadas em salas abertas ao som do vento nas folhas das árvores.

Para garantir privacidade aos clientes, não é permitido fotografar as áreas privativas das salas de massagens e piscinas.

Fotos: Alessandra Leite

Perfil

por Alessandra Leite

Editora do hotelnewstraveller.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia também:
Check-in

Six Senses Samui

O luxo sustentável da rede Six Senses

Check-in

Ponta dos Ganchos | Resort exclusivo no Brasil

Um paraíso romântico chamado Ponta dos Ganchos Exclusive Resort